Miranda agora diz que Flávio Bolsonaro, Arthur Lira e Ciro Nogueira tem esquema no transporte das vacinas

Miranda agora diz que Flávio Bolsonaro, Arthur Lira e Ciro Nogueira tem esquema no transporte das vacinas

Compartilhe nas redes sociais!

A ladroagem continua.

Tudo isso enquanto pessoas morrem esperando vacina.

O que é verdade e o que é mentira nisso tudo a CPI deve apurar.

Miranda é 'miguelão', blefador, o irmão disse que 'não gravou o Bolsonaro', e o próprio Miranda já disse que resolveu 'seu problema' com Bolsonaro.

Agora ele mira outros.


APolíticaEOPoder - Segundo denúncia feita pelo deputado Luis Miranda, existia uma pressão envolvendo um contrato do governo com a VTCLog porque a gestão de Eduardo Pazuello na Saúde não queria atender aos pedidos de reajuste contratual feitos pela empresa.

A instituição pediu ajuda de Arthur Lira, Ciro Nogueira e Flávio Bolsonaro, em um esquema que pode revelar novas irregularidades

247 - O deputado federal Luis Miranda (DEM-DF) encaminhou à CPI da Covid uma denúncia sobre um contrato para o transporte de vacinas com a empresa VTCLog. Entre os principais alvos das novas revelações estão o presidente da Câmara dos Deputados, Arthur Lira (PP-AL), e os senadores Ciro Nogueira (PP-PI) e Flávio Bolsonaro (Patriota-RJ). 

A informação foi publicada pela Revista Crusoé e reproduzida pelo site O Antagonista.

De acordo com as informações encaminhadas à CPI, o dono da VTCLog, Carlos Alberto de Sá, conhecido como Carlinhos, pediu a ajuda de um amigo chamado Flávio Loureiro de Souza, que é próximo de Lira, Ciro e Flávio Bolsonaro. 

O objetivo era solucionar o impasse dentro do Ministério da Saúde.

A pressão política envolvendo o contrato teve início porque a gestão de Eduardo Pazuello na pasta da Saúde não queria atender aos pedidos de reajuste contratual feitos pela empresa e ameaçava rescindir o contrato. Atualmente, o general é investigado pela CPI.

O deputado Luis Miranda denunciou publicamente um esquema de irregularidades na importação de vacinas pelo governo Jair Bolsonaro. 

O parlamentar disse que o seu irmão Luís Ricardo Miranda, chefe de importação do Departamento de Logística da pasta da Saúde, sofria pressão dentro da pasta para agilizar a aquisição da vacina indiana Covaxin.

A compra do imunizante foi a única para a qual houve um intermediário e sem vínculo com a indústria de vacina, a empresa Precisa. 

O preço da compra foi 1.000% maior do que, seis meses antes, era anunciado pela fabricante.
Nessa quinta-feira (15), Cristiano Carvalho, vendedor da empresa Davati Medical Supply no Brasil, confirmou que houve pedido de propina para as negociações envolvendo doses da vacina Astrazeneca.

Em depoimento à CPI da Covid, no último dia 1, o cabo da Polícia Militar de Minas Gerais Luiz Paulo Dominguetti Pereira, representante da Davati, confirmou que, segundo tratativas com o governo federal, US$ 3,50 era o valor da dose na primeira negociação sem propina. O militar afirmou que a propina só viria com um US$ 1 dólar por dose a pedido de Roberto Dias, ex-diretor de Logística do Ministério da Saúde.
 

Siga-nos nas redes sociais:



Quer receber novidades sobre a política e o que está acontecendo no Brasil e no mundo?
Clique aqui e cadastre-se: +55 42 9 9147-7863

ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.

Leia também
X