Marco Aurélio diz que a maioria do STF fulminou a segurança jurídica do País pensando em 2022

Marco Aurélio diz que a maioria do STF fulminou a segurança jurídica do País pensando em 2022

Compartilhe nas redes sociais!

Guardem bem as palavras do Ex-ministro Decano do STF, Marco Aurélio Mello quando do julgamento no qual o STF  declarou Moro Suspeito no caso de corrupção do quadrilhão de Lula, PT de 99% dos partidos e instituições aparelhadas.

Nas entrelinhas, MAS MUITO CLARAMENTE, foi exatamente isso que Marco Aurélio Mello disse.

Ou seja, na linha do que disse Marco Aurélio, a maioria dos ministros do STF concluiu que só Lula pode vencer Bolsonaro em 2022 e que, por isso, é preciso deixá-lo à vontade para a polarização, pouco importando a destruição total da segurança jurídica do País.

Essa foi a genial medida da maioria do STF.


O Ministro Marco Aurélio Mello, em seu voto divergente na fatídica sessão que anulou condenações de Lula ladrão na Lava Jato, ao final da sessão, questionou a decisão da maioria sob argumento velado que essa maioria tomou a decisão pensando nas eleições em 2022.

Disse ele:

"Quanta decepção Presidente.. dando se o dito pelo não dito... não se tem como a esta altura a voltar à estaca zero...e não cabe argumentar que precisamos ter concorrente em 2022, presente possível reeleição do atual presidente da República, isso não é argumento jurídico! O que eu quero saber é onde a maioria está vendo direito liquido e certo, à fuminar-se o processos crime voltando-se à estaca zero, que tramitaram nas estâncias ordinárias?''

ASSISTA DE 1:40:30 EM DIANTE


GUARDEM BEM.

QUEM VOTOU COM O LULA LADRÃO NO STF? Edson Fachin, Alexandre de Moraes, Rosa Weber, Dias Toffoli, Gilmar Mendes, Ricardo Lewandowski, Cármen Lúcia e Luís Roberto Barroso.

QUEM VOTOU CONTRA O LULA LADRÃO? Nunes Marques, Marco Aurélio Mello e Luiz Fux,

Siga-nos nas redes sociais:


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.

Leia também
X