Pastora prega sobre sexo, diz que mulher 'também pode gozar' e assevera: 'sexo não é pecado'

Pastora prega sobre sexo, diz que mulher 'também pode gozar' e assevera: 'sexo não é pecado'

Compartilhe nas redes sociais!

Basicamente, no bom sentido, é isso que prega a Pastora Sexóloga, Gabriella Arruda (28 anos), que presta um trabalho de esclarecimento e de combate aos tabus no ramo que atua.

Em entrevista ao UOL, ela disse:

"Durante muito tempo a religião tratou sexo como pecado, mas eu não acredito que seja assim", contou Gabriela em entrevista por telefone a Universa. Ela, que é formada em psicologia, faz seminários, cultos e palestras sobre o tema e atende clientes que estão em busca de uma "sexualidade cristã".

"Eu me afastei da Igreja lá pelos 11 anos. Aos 14, perdi minha virgindade. Sentia medo de não conseguir me reaproximar com Deus depois disso. Para me manter em santidade, passei a reprimir o sexo".

"Quando eu me casei, enfrentei dificuldades na hora H, sentia dores na relação, não chegava ao orgasmo. Eu não sabia, não entendia, sofria com a questão do desejo. Só transava por obrigação".

Se você não cultiva o mínimo de afeto no namoro, o mínimo de desejo, quando os dois se casam, vão enfrentar dificuldades de sentir prazer. Esse é o grande problema dos casamentos cristãos: a repressão sexual vem de antes do casamento".

Dizem que mulher não pode falar de sexo, muito menos uma cristã. Hoje em dia já conseguimos certa liberdade, mas ainda assim existe um tabu muito grande. Isso precisa mudar ou os casais cristãos vão continuar se separando".

Sexo não é pecado", argumenta, citando um trecho da Bíblia que se chama "Livro Cantares", em que Salomão se declara para Sulamita, uma de suas esposas. "Esse livro é quase um poema carregado de metáforas sobre prazer e desejo".

"Sexo é um ato espiritual, no momento do ato você também está glorificando a Deus. Se o homem e a mulher são casados, a cama deles é um altar. Se estão dando prazer um ao outro, estão glorificando a Deus".

 "A Bíblia nos dá esse aval de que a mulher não está ali só para satisfazer o homem, mas também para sentir prazer".

CONTRA O VIBRADOR

"Mas sou contra vibradores. Por que eu vou precisar de um se eu tenho o pênis do meu marido? O vibrador não trata a anorgasmia completa. Talvez a experiência orgástica que ele proporcione seja maior, mas daí você está se colocando em risco de ficar dependente daquilo " .

 

VEJA A ENTREVISTA COMPLETA LÁ NO UOL

INSTAGRAM DA PASTORA

Siga-nos nas redes sociais:


ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.

Leia também
Junte-se a nós
X