FCS Brasil
Notícias [+] Lidas
03/11/2019   

O que está por trás das PCH´s? Destruição da natureza, do turismo local, corrupção política e um esquema bilionário

O POVO NÃO É BOBO>>> #NÃOÀSPCH´s #PCHNão


REVEJA>>> Bolsonaro dá agasalho do Flamengo ao ditador Xi Jinping, oferece gás, petróleo, hidrelétricas e entrada sem visto aos chineses

REVEJA>>> Partido Comunista Chinês paga e Flávio Bolsonaro viaja com senadores do PT, DEM, PP e PSD pra negociar com empresa espiã


No Brasil todo estão sendo liberadas construções de PCH´s, Pequenas Centrais Hidrelétricas.

O que está por trás desses empreendimentos senão a destruição da natureza e um esquema bilionário aliado à corrupção política?

Sim, se tais empreendimentos comprovadamente não geram energia suficiente para suprir as demandas das cidades, matam rios, destroem fauna e flora, acabam com pontos turísticos e não dão nenhum retorno para as cidades, onde essas aberrações serão implantadas, o que motiva a classe política de tais cidades, com prefeitos, vereadores e donos de partidos políticos aliados a governadores, deputados e senadores a aprovarem essas desgraças em alta velocidade, correndo tudo, afoitos?

VEJAM SÓ...

Na última semana, a Câmara Federal fez audiência para discutir a questão.

No texto da Agência Câmara falam o seguinte:

As comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados realizam um seminário hoje (no caso 29-10-2019) sobre o licenciamento de pequenas centrais hidrelétricas (PCHs), assim consideradas aquelas com potência entre 100 e 1.000 quilowatts (kW).

O evento, sugerido pelos deputados Rodrigo Agostinho (PSB-SP), Joenia Wapichana (Rede–RR) e Camilo Capiberibe (PSB-AP), pretende discutir os impactos socioambientais individuais e cumulativos de PCHs, a partir da análise de casos concretos no Alto da Bacia do Paraguai, no Alto do Juruena e na Chapada dos Veadeiros (sub-bacia do Tocantinzinho).

Os parlamentares afirmam que os debates nacionais têm focado os problemas socioambientais causados pela construção de grandes barragens, como a usina hidrelétrica de Belo Monte, mas têm deixado de lado as pequenas centrais hidrelétricas e as centrais geradoras de energia, que estão em franca expansão.

Hoje, há no Brasil 1.124 PCHs e CGHs em operação e outros 1.806 projetos, com previsão de investimentos de R$ 49 bilhões.

Geralmente, as PCHs são consideradas de baixo impacto ambiental. Há, inclusive, um projeto em tramitação na Câmara que propõe um procedimento simplificado para o licenciamento ambiental de PCHs, envolvendo a dispensa do Estudo de Impacto Ambiental e Relatório de Impacto Ambiental (EIA/Rima) para empreendimentos considerados previamente de baixo impacto ambiental (PL 1962/15).

Rodrigo Agostinho, Joenia Wapichana e Camilo Capiberibe questionam as afirmações de que as PCHs possuem menor potencial de provocar impactos ambientais significativos. Sobretudo nos casos que envolvem a construção de diversas PCHs no mesmo rio, ocasionando impactos socioambientais cumulativos que, segundo eles, podem ser superiores aos danos de uma grande barragem.

O PL 1962/15 tramita em caráter conclusivo e já foi aprovado pelas comissões de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável; e de Minas e Energia. Apesar disso, os deputados ressaltam que não foi realizada nenhuma audiência pública para debater o tema.

Debatedores

Foram convidados para discutir o assunto, entre outros, a presidente da Agência Nacional de Águas (ANA), Christianne Dias Ferreira; a secretária de Meio Ambiente de Mato Grosso, Maureen Lazaretti; o superintendente de Geração da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Carlos Eduardo Cabral; além de lideranças indígenas. (https://www.camara.)leg.br/noticias/604695-seminario-discute-impacto-ambiental-de-pequenas-centrais-hidreletricas/


PARANÁ

No Paraná já estão em andamento a construção de várias PCH´s, aprovadas na Comissão de Indústria e Comércio da Alep.  REVEJA>>> Comissão da Alep aprova a construção de 18 PCH´s no Paraná

PRUDENTÓPOLIS

Na última semana de outubro de 2019 teve audiência em Prudentópolis onde a população indignada  se manifestou junto de promotores de justiça especializados na questão, demonstrando que a construção da PCH na cidade vai matar pontos turísticos e rios aos poucos, e pior, sem trazer nenhum benefício para a cidade.

O que estaria por trás de tal aprovação por parte de prefeito e vereadores?

O povo, no entanto, segue na luta contra a PCH em Prudentópolis.


 

(Post de Emerson Rodrigues, blogueiro, editor geral do FCSBR, aos blogues da mídia livre no Brasil e no Exterior [email protected]) 





ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.



STF LIBERA GERAL

LAVA TOGA EM 1999

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X