FCS Brasil
Notícias [+] Lidas
05/04/2015   

Stédile diz: 'a militância vai para a rua contra as idiotices de tentativas de golpe'

MST e militância planejam protestos dia 7 de Abril, já que dia 1º não conseguiram mobilizar ninguém>>>

REVEJA: Já são mais de 400 cidades que confirmaram protesto contra o governo no dia 12 de Abril

Enquanto de um lado Lula, estrategicamente, fala em 'pisar no freio' e não enfrentar os protestos cara-à-cara. De outro lado, o MST, através de João Pedro Stédile, num teatro já conhecido, diz que estão tentando dar um golpe ao exigir a renúncia ou o impeachment da presidente Dilma e que que irão enfrentar 'a direita'.

REVEJA: Novos dados dizem que 74% não confiam mais em Dilma

Com efeito, esquece o malemolente Stédile que não se trata de esquerda ou direita, não se trata da ilusória 'luta de classes' pregada por eles para dividirem o povo, ou o raio que o parta.

Para o povo, se trata de corrupção, desvios de bilhões e de ladrões da república que devem ser afastados, cassados, ou renunciar, e, claro, que todos os envolvidos nos roubous bilionários no Petrolão, na Receita Federal e no BNDES sejam rigorosamente punidos.

Entretanto, o PT, o MST, a CUT e outros pretendem oferecer resistência, apesar de não terem dado as caras daia 1º de abril como prometeram.

REVEJA: Mesmo com Lula, PT não consegue mobilizar militância e 1º de Abril tem efeito contrário

DECLARAÇÕES DO MST

O dirigente do MST afirmou que os forças progressistas perderão de W.O. se não fizeram os enfrentamentos políticos e ideológicos na sociedade, com mobilizações de massa. Nesse sentido, defende que é hora da esquerda pisar no acelerador, massificar as manifestações agendadas para o dia 7 de abril, cobrando mudanças na política econômica do governo, com a revogação das MPs, e enfrentando a ofensiva da direita em todos os campos. Dentro do arco de forças sociais que construiu a jornada do dia 13 de março, há compreensões distintas da forma de atuar diante de um governo que adota políticas neoliberais, em um quadro de ofensiva dos setores conservadores no Congresso, no Poder Judiciário, nos meios de comunicação e nas ruas. Os discursos de Stedile, em Minas, e do presidente da CUT, Vagner Freitas, em São Paulo, demonstraram a disposição de ir para a ofensiva, sem admitir a perda de direitos nem o golpismo dos setores conservadores. Caberá aos dirigentes das forças populares em todo o país definir a estratégia. (Fonte: Site do MST)

CUT diz que 'não formaram covardes' e que vão enfrentar os protestos do dia 12 de Abril

“Estamos aqui em defesa de um legado dos últimos 12 anos que elevou a capacidade e melhoria da qualidade de vida da classe trabalhadora. Precisamos defender esse projeto político que nós construímos”, disse o presidente da Central Única dos Trabalhadores (CUT), Vagner Freitas. “Jamais aceitaremos o golpismo, mas não aceitamos e não podemos achar que o ajuste fiscal feito pelo [ministro da Fazenda Joaquim] Levy vá levar esse Brasil à frente, porque não vai. Nós necessitamos que os direitos dos trabalhadores sejam respeitados. E há insatisfação da classe trabalhadora, registre-se”, acrescentou o presidente da CUT. (Fonte: Site do MST)

ENTREVISTA DE STÉDILE COM O BLOGUEIRO PETISTA, HENRIQUE AMORIM

STÉDILE FALA DE DIA 13/03 E 15/03 E DIZ QUE PROTESTOS DOS 'VERDE E AMARELO' SÃO COISAS DA DIREITA, 'IDIOTICES DE TENTATIVAS DE GOLPE'.

Stédile, 'chefe' do MST, ataca o juiz Sérgio Moro, da Lava Jato, e defende Reforma Política do PT

 





ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.



ESTAÇÃO ESPACIAL

AIDS TEM CURA

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X