FCS Brasil
Notícias [+] Lidas
26/06/2020   

BARBARIDADE: Morcegos que se alimentam de sangue atacam no Rio Grande do Sul

Na semana já tivemos: nuvem de gafanhotos, nuvem de poeira do Saara chamada de Godzilla, grande terremoto no México e agora nosferatus gaúchos. Que mais nos aguarda nos próximos dias? Chute aí...


SITE LITORAL MANIA - Técnicos da Secretaria da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento Rural (Seapdr) identificaram, pela primeira vez no Rio Grande do Sul, a presença de exemplares de Diaemus youngi, uma espécie de morcego hematófago, ou seja, que se alimenta de sangue.

Três indivíduos da espécie foram capturados em janeiro de 2019 no município de Restinga Seca, sendo o primeiro registro no Estado.

Até então, o Rio Grande do Sul havia documentado a presença de apenas uma espécie de morcego hematófago, o Desmodus rotundus.

A descoberta foi publicada no periódico científico Notas sobre Mamíferos Sudamericanos, da Sociedade Argentina para o Estudo de Mamíferos (Sarem).

Após a publicação do artigo, novos espécimes de Diaemus youngi também foram encontrados na região das Missões.

O coordenador do Programa de Controle da Raiva Herbívora da Seapdr, Wilson Hoffmeister, explica que a espécie encontrada se alimenta de sangue de aves silvestres e galinhas criadas soltas (chamadas crioulas, caipiras ou coloniais) e, portanto, não transmite raiva, como é o caso da espécie mais comum no Estado, Desmodus rotundus.

“A Diaemus youngi pode transmitir doenças para aves, mas é difícil que consiga contaminar aves comerciais, criadas em galpão, porque esses espaços são telados justamente para evitar isso”, avalia.

Wilson frisa que não há nenhuma evidência científica de que a nova espécie propague a raiva herbívora. “É uma descoberta importante, mas não nos preocupa no combate à raiva. Descobrir essa espécie no Rio Grande do Sul pode, por exemplo, explicar a disseminação de doenças em aves que não tinham explicação lógica até o momento”, pondera.

Para evitar qualquer tipo de contágio, o analista ambiental André Witt faz uma recomendação a produtores de galinhas e angolistas.

“O ideal é que elas sejam resguardadas no período noturno em galinheiro fechado com telas de diâmetro reduzido, tipo passarinheiras, com o objetivo de impedir o ataque por morcegos hematófagos”, detalha.

Atualmente, devido à grande importância do Desmodus rotundus no ciclo da raiva dos herbívoros e o risco à saúde humana, a legislação ambiental brasileira permite o controle das populações apenas para esta espécie.

No Rio Grande do Sul, este controle é realizado por equipes especializadas da Secretaria da Agricultura.

O G1 CONFIRMA A HISTÓRIA: https://g1.globo.com/rs/rio-grande-do-sul/noticia/2020/06/26/especie-de-morcego-que-se-alimenta-de-sangue-aparece-pela-primeira-vez-no-rs.ghtml?utm_source=twitter&utm_medium=social&utm_campaign=g1

MANJA UM COMENTÁRIO DA CHINA VÉIA





ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.



ESTAÇÃO ESPACIAL

AIDS TEM CURA

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X