FCS Brasil
Notícias [+] Lidas
27/06/2020   

Faltam medicamentos e sedativos para pacientes em estado grave com COVID-19 no Brasil

Roubalheira de governadores e prefeitos? Falta de repasses dos desgoverno foderal? Quem vai ter certeza?

Após 3 meses e mais de R$ 5 milhões gastos, vermífugo de Marcos Pontes não apresentou nenhum resultado no combate ao coronavírus como prometido

Depois de encomendar 30 milhões de doses de Vacina ainda em desenvolvimento, Ministério da Saúde diz: 'se os ensaios clínicos não se mostrarem seguros nós aprenderemos'

Sofrem os pacientes e sofrem os profissionais que veem o sofrimentos de pessoas morrendo aos montes na evolução da pandemia mortal.

O GLOBO DIZ:

Em 22 unidades da Federação há estoques zerados de ao menos um medicamento sedativo usado em pacientes de Covid-19 que precisam de entubação. O levantamento é do Conselho Nacional de Secretários de Saúde (Conass), que discute o tema em audiência na Câmara nesta quarta-feira.

O estudo levou em conta uma lista de 22 remédios considerados essenciais para o procedimento feito em pacientes graves de Covid-19. Mato Grosso tem o número mais elevado de medicamento em falta: 13. No Maranhão e Ceará, há escassez de 12 produtos.

No caso de remédios que ainda não acabaram, os estoques são baixos. Há 23 unidades da Federação com medicamentos da lista que só duram dez dias no máximo.

O Amapá tem situação emblemática nesse sentido: dos 22 medicamentos listados na pesquisa do Conass, 11 estão em falta e 11 têm estoques de dez dias ou menos. Sem os medicamentos, as equipes de saúde ficam impossibilitadas de fazerem a entubação para salvar a vida do paciente.

Mas também há casos no Sudeste. Na Santa Casa de Araraquara, no interior de São Paulo, o estoque de sedativos, analgésicos e relaxantes neuromusculares deve durar apenas dez dias. São, pelo menos, 15 drogas, entre elas morfina.

De acordo com André Peluso, infectologista e diretor técnico da Santa Casa, estas medicações são necessárias em procedimentos de entubação e ventilação mecânica para pacientes com Covid-19 e também para os que necessitam de cuidados intensivos provocados por outras doenças ou pelos que necessitam de procedimentos cirúrgicos, sejam eles de emergência ou eletivos.

Essas medicações são essenciais para uma assistência adequada. Na falta delas, os procedimentos cirúrgicos eletivos precisam ser reagendados devido à necessidade de realocação de recursos por prioridade e demanda — diz Peluso, acrescentando que a falta desses insumos traz uma preocupação a mais para profissionais de saúde, já sobrecarregados com a pandemia. —A incerteza de conseguir prover um tratamento adequado aos pacientes gera estresse e desmotivação.

(Com foto de El País)


 





ATENÇÃO: Os comentários são de responsabilidade exclusiva de seus autores, os quais poderão responder judicialmente e não representam a opinião deste site. Se achar algo ofensivo, marque quem comentou e denuncie.



ESTAÇÃO ESPACIAL

AIDS TEM CURA

Sugeridos

© Todos os direitos reservados

X